quinta-feira, 2 de agosto de 2018

O jardim e o poema

                              Um pé de pitanga
                              Um pé de acerola
                              A jabuticabeira
                              E as flores em volta
                                   Ecoam cores
                                   No canto dos pássaros

                              Um tapete de grama

                              Os muros medidos
                              O jardim flutua
                              No azul infinito
                                   No céu de uma tarde
                                   Qualquer da cidade

O jardim se compõe de pequenos
Pedaços de vida arranjados
Com zelo e tenacidade
Pelas hábeis mãos da amada
          Como um poema
          Cultivado pelo poeta

O poema se agarra à página
Numa luta ferrenha
Contra o tempo que o leva
          E leva poetas
          E gentes que os amam
          E língua e galáxias

O poeta escreve para ser amado
E ficar na eternidade
Como um deus
          O poeta
          É um escravo da vaidade

O jardim
Apenas flui na tarde
É um pedaço de vida
Para ser fruída
Passagem e mais nada
          O jardim de sua amada
          É uma lição
          De generosidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário